Depressão tem cura?

Cerca de 5% da população residente nos continentes americanos sofrem com depressão. Os sintomas são vários e se apresentam como perda de energia, sonolência ou insônia, culpa, tristeza profunda e desesperança. Quando estes sintomas aparecem a melhor decisão é buscar ajuda, para que a depressão não se agrave. Entretanto, o tratamento para a depressão ainda é considerado um tabu, mesmo nos países mais desenvolvidos. No mundo todo há uma falta de apoio às pessoas com doenças neuroatípicas e junto com o tabu social, os números de depressão tendem a aumentar.

A busca por tratamento é uma decisão de pelo menos um quarto da população que sofre com a doença e há vários fatores limitantes na busca pela cura da depressão. O tabu social, o medo do estigma de ter problemas psicológicos, o preço a ser pago por consultar um psicoterapeuta e um psiquiatra e o preço do medicamento. É importante ficar atento, a depressão não tem restrição de idade e pode afetar qualquer um.

A partir do diagnóstico clínico e correto da depressão, inicia-se um tratamento. Pode envolver atividades físicas, uma dieta apropriada, psicoterapia e medicamentos. O conjunto irá influenciar o tempo de tratamento da depressão. Não é possível dizer que há uma cura exata para a depressão, mas a questão é que o tratamento seguido rigorosamente pode erradicar todos os sintomas da depressão. É possível parar de tomar os antidepressivos, mas isso apenas sob supervisão do médico psiquiatra. NUNCA pare de tomar o remédio de uma vez só, é provável que aconteça uma crise de abstinência ou o efeito rebote.

Mulher triste.

Depressão hereditária

A depressão hereditária não significa que o indivíduo com 100% de certeza terá depressão. Significa que este indivíduo é biologicamente mais favorável a um desequilíbrio nos neurotransmissores. Como qualquer outro tipo de depressão, a depressão hereditária deve ser tratada sob a supervisão médica. Uma pessoa que tem depressão e que presencia outros casos de depressão na família pode curar a sua própria depressão. Deve-se seguir o tratamento rigorosamente, até o momento em que o médico acreditar que houve realmente uma melhora no equilíbrio químico do cérebro e que é possível parar com a medicação. Para substituir o medicamento, é possível que o médico indique atividades que estimulem a produção dos hormônios responsáveis pelas sensações de bem estar e prazer.

Depressão Grave

É o tipo de depressão mais grave. Pode ser resultado de um evento traumático, como perda de um ente querido, perda de bens materiais, dinheiro etc, mas também pode ser o resultado da soma de questões psicológicas e sociais. Esse tipo de depressão incapacita a pessoa de seguir a vida normalmente, a pessoa se sente sem energia para os afazeres básicos, como comer, tomar banho, socializar. Os sintomas desse tipo de depressão costumam ser mais intensos que os outros tipos de depressão. É necessário um tratamento intenso para ajudar a pessoa que sofre de depressão. A boa notícia é que se o tratamento for seguido rigorosamente, com acompanhamento psiquiátrico e psicológico a depressão grave pode ser curada e pode não voltar.

Transtorno Bipolar

O transtorno bipolar é uma doença que pode ser hereditária. É uma doença que altera o humor da pessoa aos extremos, fazendo com que ele oscile entre um humor eufórico e um estado depressivo. Ambos estados podem durar até meses. O quadro bipolar pode ser leve, moderado e grave. As alterações pode acontecer em períodos de tempo bastante variados. É possível tratar com medicação e psicoterapia o transtorno bipolar. A fase eufórica do transtorno bipolar é chamada de mania. Durante o estado de mania a pessoa pode ficar eufórica, enérgica, agitada, pode haver comportamento narcisista, menor sonolência e pode até mesmo causar agressividade. O estado depressivo apresenta todos os sintomas conhecidos da depressão: falta de apetite, insônia ou sonolência exagerada, angustia e melancolia profundas. São usados medicamentos diários, psicoterapia e terapias complementares como exercícios e dietas. Entretanto, o transtorno bipolar não tem cura.

Depressão Refratária

A depressão passa a ser considerada refratária quando o paciente não apresenta nenhuma melhora ou reação ao medicamento antidepressivo. Mesmo com a troca constante de remédios, não é observado nenhuma alteração no quadro clínico da depressão. Especialistas na área afirmam que pessoas que sofrem de depressão refratária costumam iniciar apenas o tratamento psiquiátrico, sem acompanhamento psicológico. É indicado para estas pessoas uma segunda terapia, chamada terapia complementar, que envolvem psicoterapia e atividades como homeopatia, yoga, exercícios físicos dentre outros. Quando o tratamento é completo e engloba o físico e o psicológico é possível curar a depressão refratária.

Fontes:

http://www.scielo.br/pdf/rpc/v32s1/diagnostico-tratamento-bipolaridade.pdf

http://www.scielo.br/scielo.php/tratamento-da-depressao/

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/tratamento-depressao-profunda.pdf