Tipos de Depressão

A depressão é um transtorno que atinge aproximadamente 300 milhões de pessoas. É uma doença caracterizada por mudanças de humor, tristeza constante e mudança comportamental. O que diferencia a depressão de sentimentos comuns são as mudanças de hábitos e a longa duração e intensidade de sentimentos de melancolia. Se não cuidado de forma apropriada, a depressão pode se tornar uma condição de saúde crítica. A depressão geralmente incapacita a pessoa de fazer as suas tarefas rotineiras, afeta toda a vida pessoal, a carreira e os relacionamentos, podendo gerar diversas outras consequências. Nos casos mais graves, a depressão pode levar a pessoa ao suicídio.

Menos da metade das pessoas que sofrem com depressão procuram ajuda especializada e fazem um tratamento adequado. As falta de recursos, o preconceito e a falta de apoio são as principais causas. Existe ainda hoje um grande tabu em buscar ajuda psicoterapia e um médico psiquiatra. O investimento no tratamentos de doenças psíquicas também não é barato, chegando a custar quase 300 reais uma consulta com um médico psiquiatra. Sendo a renda um fator que impossibilita o tratamento eficaz e a depressão para ser tratada deve ter um diagnóstico clínico e preciso, é possível saber como que aproximadamente 800 mil pessoas morrem de suicídio por ano.

A depressão tem vários tipos e é classificada conforme a intensidade dos sintomas. Eles podem ser leves, moderados ou grave. Existe uma gama de fatores complexos que desencadeiam uma crise depressiva, questões sociais, traumas, biológicos, eventos traumáticos na vida como luto e trauma psicológico, são alguns dos “motivos” da depressão. Lembrando que a depressão também pode acontecer por questões de desequilíbrio químico na função neurotransmissora, impedindo a serotonina de agir no corpo.  Conheça agora os tipos de depressão.

Depressão Grave

Pode ser um dos tipos mais graves de depressão. Lembrando que o diagnóstico da depressão deve ser feito por um médico psiquiatra. Os sintomas como desânimo, falta de energia, melancolia e insônia se manifestam por um período maior que 6 meses. É associada à fatores genéticos e atinge principalmente adultos maiores de 30 anos.

Desenho mulher com insônia

Distimia

É considerada a depressão leve. O paciente sofre com os sintomas comuns associados a depressão em um grau menor. Ele consegue seguir a rotina com certa dificuldade, enquanto que os outros tipos de depressão podem incapacitar a pessoa doente. A diferença dessa depressão é o tempo de duração: especialistas afirmam que ela dura no mínimo 2 anos e raramente é tratada como deveria. Normalmente a pessoa com distimia é rotulada como mau humorada.

Transtorno Bipolar

O transtorno bipolar é uma doença neuroatípica caracterizada pela mudança brusca de humor. O estado depressivo do transtorno bipolar apresenta todos os sintomas comuns, tais como insônia, tristeza profunda, falta de motivação. A diferença no transtorno bipolar é que o estado depressivo é intercalado com euforia. O estado de euforia raramente é associado à depressão. Os sintomas da euforia são: agitação, alegria extrema, desatenção, hiperatividade e às vezes impulsividade. O tratamento do transtorno bipolar é diferente do tratamento para depressão, ambos devem ser acompanhados por um médico psiquiatra.

Depressão Reativa

É a depressão associada a um evento traumático, como perda de uma pessoa, tragédia, perda de bens materiais, dinheiro etc. Eventos estressantes abalam pessoas, mas se a pessoa afetada pelo evento traumático não superar por um período de tempo é provável que os sintomas de depressão apareçam. Começa com isolamento social, tristeza profunda e insegurança. É necessário acompanhamento psicológico e psiquiátrico para tratar da depressão reativa.

Depressão Sazonal

A vitamina D é um dos principais agentes no combate natural à depressão. Nos países nórdicos, onde há uma escassez de raios solares durante uma determinada estação, os índices de doenças mentais são grandes. Apesar de serem melhores ranqueados no quesito bem-estar e índice de desenvolvimento humano, países como Noruega e Finlândia lidam com o alto número de suicídio entre a população jovem. O principal motivo seria a falta de luz solar. Os sintomas são isolamento social, tristeza profunda e melancolia.

Depressão Pós-parto

A depressão pós-parto pode ser associada à queda de hormônios que são constantes durante a gravidez. Entre os sintomas principais estão: insegurança em relação ao bebê, desespero, solidão, melancolia profunda e falta de apetite. O melhor tratamento para a depressão pós-parto é o acompanhamento psicológico e o preparo de uma rede de familiares para ajudar a mãe a conseguir cuidar do bebe e de si mesma.

Depressão Infantil

Geralmente a criança não consegue comunicar bem o que está sentindo, geralmente uma criança que sofre de depressão se queixa de problemas físicos. Os sintomas são: quietude excessiva, medo de se separar do cuidador, qualidade do sono, pesadelos constantes e o medo de ficar sozinha. A falta de interesse da criança também é um sintoma de depressão infantil. O caso deve ser acompanhado por um psicologo e por um psiquiatra.

Personagem Tristeza, do filme Divertidamente

Depressão na Adolescência

Na adolescência a depressão apresenta alguns sintomas parecidos com a depressão infantil. Entretanto o adolescente pode começar a agir de forma agressiva e até mesmo começar a usar drogas como forma de aliviar o sofrimento. A agressividade pode se ressaltar na escola ou em casa, a constante busca por brigas, mania de perseguição. Deve-se buscar um médico psiquiatra para tratar a depressão.

Depressão em Idosos

A depressão é uma doença que está cada vez mais atingindo idosos. Aproximadamente 50% dos idosos que vivem em casas de repouso desenvolvem depressão. Os sintomas costumeiramente são físicos, as queixas principais são falta de apetite, insônia, perda de energia para as tarefas da rotina. Outro sintoma é o isolamento social. A angústia, crises de choro e tristeza profunda também estão presentes na depressão que atinge os idosos. É preciso estar atento quando o idoso apresenta algum desses sintomas, já que é a fase em que é mais difícil o diagnostico.

 

Fontes:

http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n105/0103-1104-sdeb-39-105-00536.pdf

http://www.scielo.br/pdf/pcp/v37n1/1982-3703-pcp-37-1-0018.pdf 

http://www.jped.com.br/conteudo/02-78-05-359/port.pdf